Sobre a RidEM

A RidEM – Rede Interdisciplinar de Estudos Modernos, criada em 2011 por um grupo de pesquisadores brasileiros e estrangeiros, agrupa estudiosos de diferentes campos do conhecimento, que têm em comum o interesse em desenvolver pesquisas sobre a Época Moderna (final do século XV até meados do século XVIII, com ênfase nos séculos XVI e XVII).

Sediada institucional e fisicamente no recém-criado Instituto Multidisciplinar de Formação Humana com Tecnologias (IFHT) da UERJ, a RidEM conta com uma plataforma virtual colaborativa, desenvolvida especialmente para suas atividades: adequada para pesquisas transversais, ela permite a realização de trocas ativas entre os estudiosos, seja pesquisando em torno de eixos comuns de interesse, seja compartilhando dados, fontes e estudos.

Há algumas décadas o universo acadêmico vem sendo mobilizado, mundialmente, pelo questionamento das fronteiras disciplinares e pela busca de reconfiguração dos quadros de pesquisa, tanto em razão do surgimento de novos objetos de estudo, quanto em resposta às mudanças de perspectivas epistemológicas sobre objetos anteriormente estudados. A franca ascensão, nos discursos acadêmicos, das referências à multi, inter e transdisciplinaridade, é um indicador deste movimento geral de atenuação das barreiras disciplinares, que não se dá, contudo, sem conflitos e impasses. Pois muito embora se verifique, nos textos institucionais, que o diálogo entre as disciplinas é admitido como indicador positivo na qualificação de um projeto de pesquisa ou de docência, a realidade nas universidades e a compartimentação das estruturas acadêmicas favorecem o enraizamento disciplinar dos pesquisadores e docentes, e permanecem como um entrave às iniciativas de trabalho baseadas numa perspectiva interdisciplinar.

O processo de mutação amplo e radical que marca este período da história ocidental, afetando tanto as práticas sociais e econômicas quanto os planos ético, epistemológico, filosófico e artístico, demanda naturalmente dos estudiosos uma abertura para concepções e abordagens metodológicas diversas, capazes de enriquecer mutuamente suas pesquisas. A interlocução e a colaboração entre historiadores, especialistas das ciências sociais, naturais e matemáticas, das artes, da literatura e da filosofia abre a possibilidade de novos caminhos de investigação, mais aptos a dar conta da amplitude e da complexidade destas mutações, sem dúvida convergentes.

Tal perspectiva se impõe imperativamente, no entanto, aos pesquisadores que se defrontam com objetos cuja complexidade se acomoda mal à rigidez ou à estreiteza da compartimentação disciplinar. É o caso dos pesquisadores envolvidos na construção da RidEM, cujos estudos, focalizados sobre a Época Moderna, demandam não apenas o trânsito e a familiaridade com uma multiplicidade de disciplinas, mas também uma permeabilidade a abordagens e metodologias diversas. A Época Moderna se mostra, de fato, como um campo particularmente fértil de estudos para o exercício tópico da interdisciplinaridade. Algumas situações práticas de pesquisa sobre este período servem para ilustrar a necessidade de transposição das fronteiras disciplinares. Como investigar, por exemplo, a perfeição ilusionista da pintura do século XVII sem considerar suas relações com a instauração de um novo regime de visão permitido ou criado pelo desenvolvimento da ótica e da microscopia? Como pensar a estruturação rítmica da música do século XV sem investigar suas relações com o processo de mutação na temporalidade civil e sua mensuração em operação no ocaso da Idade Média? Como pensar a instauração da anatomia como método científico no século XVI sem atentar para suas condições éticas e jurídicas, suas implicações metafísicas e seus desdobramentos estéticos?

Neste contexto, onde a multidisciplinaridade se impõe por si mesma, o desafio para os pesquisadores da RidEM se traduz num problema de fundo epistemológico: até que ponto a abordagem multidisciplinar sobre os fenômenos e temas em questão pode efetivamente, a partir do trabalho colaborativo, se converter ou evoluir para uma abordagem interdisciplinar? Até que ponto pode emergir, da interseção entre as diversas perspectivas sobre o objeto, um questionamento comum? Até que ponto a pesquisa colaborativa demanda e conduz à geração de categorias e de quadros teóricos originais ou, ao menos, compartilháveis pelo conjunto das disciplinas envolvidas?


Ambiente Virtual

Buscando superar os entraves das fronteiras disciplinares e o isolamento, não apenas institucional, mas também físico e geográfico dos pesquisadores envolvidos na construção da RidEM (oriundos de horizontes disciplinares diversos, e vinculados a universidades diversas, nacionais e internacionais), optou-se por uma colaboração mediada por uma proposta de Ambiente Virtual: um sistema de informação que permite a articulação em rede dos pesquisadores que se encontrem geograficamente e disciplinarmente dispersos, contendo banco de dados, repositório de documentos, fóruns e outras ferramentas de comunicação, interação, autoria e colaboração. O Ambiente Virtual da RidEM foi construído com apoio da FAPERJ, por meio de seu edital "Apoio a Projetos de Pesquisa na Área de Humanidades – 2011".

Endereço postal

Instituto Multidisciplinar de Formação Humana com Tecnologias (IFHT-UERJ) R. São Francisco Xavier, 524/sala 12040 | Maracanã – Rio de Janeiro | Cep 20550-900 | Brasil

Contato ridem@ridem.net

Quem somos